segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Para além do muro





Olhas para além do muro; e

o que vês? O tempo para além do tempo,

a tarde que não chega, ou a noite que

vai chegar quando menos a esperas,

uma última ave no limite

do céu, pedindo-te que a não sigas.

Mas não cedas ao abraço da árvore,

ao apelo das raízes, à melancolia

de um desejo de horizonte. Encosta-te

a esse muro, sabendo que ele desenha

o espaço que te foi dado, e que as tuas

mãos descobrem no frio da pedra.

Não te resignes ao que existe. A ave

que desapareceu por trás da colina conhece

o caminho que os teus olhos procuram.
N U N O  J Ú D I C E

blog "A a Z",
há cinco anos,
precisamente!