segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Para além do muro





Olhas para além do muro; e

o que vês? O tempo para além do tempo,

a tarde que não chega, ou a noite que

vai chegar quando menos a esperas,

uma última ave no limite

do céu, pedindo-te que a não sigas.

Mas não cedas ao abraço da árvore,

ao apelo das raízes, à melancolia

de um desejo de horizonte. Encosta-te

a esse muro, sabendo que ele desenha

o espaço que te foi dado, e que as tuas

mãos descobrem no frio da pedra.

Não te resignes ao que existe. A ave

que desapareceu por trás da colina conhece

o caminho que os teus olhos procuram.
N U N O  J Ú D I C E

blog "A a Z",
há cinco anos,
precisamente!

10 comentários:

  1. Aqui está um poeta que conheço muito mal. Gostei .
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Um poema completo de um poeta sensível.
    Gostei!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Quanta poesia, quanta verdade escondida no tempo, no muro, na ave ,nas raízes...nos olhos que anseiam ir mais além...Adorei a foto e o Nuno Júdice!!!!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Eu adoro Nuno Júdice! É talvez o poeta vivo que mais leio! E releio a cada instante!
    E mais uma vez me quedei por aqui...

    Conheço o blogue aqui identificado. Do tempo em que Júdice o publicava!

    Livre de 'hacker' vim agradecer a presença e amizade!

    Um beijo,

    ResponderEliminar
  5. Excelente esta sua escolha meu amigo.
    Há tanta coisa que os olhos não alcançam mas o coração sente.
    Já tinha saudades suas, foi bom receber o seu comentário carinhoso.


    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. o silêncio
    é a última ave no limite do céu

    grata pelas suas palavras e pelo poema de Nuno Júdice!

    um abraço

    ResponderEliminar
  7. Muito bom o seu blogue, Petrus ! O escritor de Curitiba que recebeu o prêmio Camões é Dalton Trevisan. Sim, vale a pena lê-lo. Um abraço !

    ResponderEliminar