quarta-feira, 5 de julho de 2017

o arquitecto de família

*O sol bate envergonhado na estreita fila de casas escondidas para lá da fachada do número 1 da Rua de São Víctor.
Sentada num banco à porta de uma das habitações da ilha, sorriso posto, Fátima Castro vai apresentando o espaço que conhece desde menina. Fez-se gente ali, lugar de amizades enraizadas, de "condomínios sem condomínios", e quando o pai morreu, há mais de 30 anos, tornou-se proprietária. Sem recursos, foi vendo as casas a degradarem-se. Os moradores a saírem. Agora, só três dos oito espaços preservam vida lá dentro. Fátima viveu anos entre a tristeza de ver o seu legado danificar-se e a convicção  de não o vender.
"Isso nunca, um dia há-de ser dia"
E foi mesmo.
A resposta encontrou-anum panfleto afixado na Junta de freguesia do Bonfim, onde vive.
Chamava-se Habitar e prometia apoiar proprietários, inquilinos e profissionais a facilitar processos de recuperação, conseguindo habitação a preços justos.
E cumpriu.
A pré-candidatura ao Reabilitar para arrendar, do Instituto para Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) já foi aprovada. 2018  deverá ser o ano de ilha renovada.
Aitor Varea Oro, arquitecto espanhol, transportou o sonho do direito à habitação de Valência para o Porto. Assinou uma parceria com a Junta de Freguesia de Bonfim para se tornar o «arquitecto de família» daquela população e, um ano depois do arranque do projecto, perdeu a conta aos atendimentos.
Está a dar resposta a nove casos.
Em Março alargou a zona de intervenção à Junta de Campanhã.
E do projecto pessoal nascido da sua tese de doutoramento burilou um desígnio plural com a educadora social Liliana Pacheco que assume, ao lado dele, o papel de coordenadora.
E uma rede de gente disposta a fazer do Habitar Porto "um projecto de vida".

Para ele, "a arquitectura é uma acção colectiva"  e a habitação não é uma questão exclusivamente técnica. Longe disso.
(...) vão descendo São Victor, a rua com mais ilhas do Porto, a caminho da propriedade de Fátima Castro.
São alguns dos voluntários do  Habitar, rostos das "brigadas mistas" que no último meio ano têm percorrido o Porto a sentir-lhe o pulso, a identificar problemas e procurar soluções..
A inspiração surgiu do Processo SAAL, o projecto arquitectónico e político criado poucos meses de pois do 25 de Abril, sobre o qual o arquitecto espanhol se debruçou no seu doutoramento.
"É possível recuperar um edifício na sua totalidade, mas não se pode compor uma telha porque os programas não têm esses parâmetros" -
- exemplifica, a também arquitecta Mónica Loureiro.
 
Um problema da cidade
No Bonfim ... são 2.000 casas devolutas.
Fátima Castro guarda religiosamente o caderno preto onde escreveu à mão um longo texto explicativo. Registou o que pensa a sonhar com uma ida à televisão ... falar de uma vida...portuense numa cidade em mudança.
Soluções?
"Uma intervenção na base educativa"

* «E se o Porto inventasse um Obamacare em versão Habitar?» por Mariana Correia Pinto.
 artigo publicado no jornal Público, 20 de abril de 2017, que fala de arquitectos e educadores sociais com afinidades pragmáticas, operacionais e ideológicas

4 comentários:

  1. Não entendi direito. Bom Fim é um bairro da Cidade do Porto? Meus ancestrais são do Porto que para mim é uma cidade belíssima e aconchegante. Sei que o importante é preservar - principalmente a arquitetura antiga. Belo espaço. Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom Fim é o nome duma freguesia (autarquia local), parte integrante da cidade do Porto.
      Porto não é a cidade onde resido. Visito-a com alguma frequência.
      Esta mensagem é uma homenagem à velha cidade e a quem a defende.
      Muito grato pelas suas simpáticas palavras.
      Grande abraço

      Eliminar
  2. Numa época de pleno distúrbio comunicacional, ler notícias destas sabe melhor que água fresca no Verão. Ainda há pessoas que se preocupam, só pode.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Existem projectos de vida que numa época como esta, são oásis num deserto de loucos.
    " Isso nunca, um dia há- de ser dia!

    Fico feliz por saber que nem tudo está perdido!

    Um beijo, Petrus!

    ResponderEliminar