segunda-feira, 10 de junho de 2013

Palavras


Pousei os livros na mesa para

ver o que os livros dizem; e

abri-os, como se abre a melancia, para

provar o que vem lá dentro,

com o sumo a escorrer por entre

sílabas e versos.



Mas o que me ficou nas mãos

foi a palavra única, a que juntei

o amarelo do limão

e a transparência da água; e espalhei

essa palavra no campo, para

que outras palavras nascessem

da sua música.



Na primavera, entrarei

nesse campo como se entra

num livro, descansando à sombra

das palavras que semeei.



N U N O  J Ú D I C E
do blog A a Z

a propósito
do Prémio Reina Sofía de Poesia Iberoamericana

6 comentários:

  1. Não podias ter escolhido melhores palavras do que as de Nuno Júdice.

    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Fui frequentadora assídua do blogue de Nuno Júdice.
    Gosto muito do poeta, esperava mais do homem, neste momento em particular, pois quando o conheci era uma pessoa quase tímida, mas de forte convicções...

    bjs

    ResponderEliminar
  3. Se semeou as palavras,
    elas vão florescer
    e dar muitas e muitas palavras
    e talvez um campo repleto de palavras
    sem espaço para mais palavras...

    E isso vai acontecer!

    Maria luísa

    ResponderEliminar
  4. E que as tuas palavras floresçam também, por aqui...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. entrar num livro amarelo limão
    e ficar lá

    muito boa a escolha do poema!


    obrigada Petrus, pelas suas palavras


    um abraço

    ResponderEliminar
  6. Como não actualizas...resta vir aqui agradecer a tua atenção e desejar-te uma boa semana.

    Bjs

    ResponderEliminar